História do Santuário da Santíssima Trindade

Há muito tempo corre uma lenda dizendo que a capela da Santíssima Trindade foi construída por um certo Padre Trindade, que, juntamente com mais outros dois irmãos, Padre Gaspar e Padre Livramento, saíram andando com as imagens da Santíssima Trindade, Nossa Senhora do Pilar e Nossa Senhora do Livramento, respectivamente.

Quando eles já não aguentavam mais andar  pararam e construíram três capelas sobre três colinas, formando um triangulo: Capela da Santíssima Trindade, Capela de Nossa Senhora do Pilar, ambas no município de Tiradentes, e a Capela de Nossa Senhora do Livramento, no município de Prados.

Dizem que, quando o tempo está bom e o céu limpo,do campanário de uma igreja enxergam-se as demais.

O fato é que, na verdade, quem construiu a igreja foi um ermitão.

Os Eremitas ou Ermitões, diante das ambições e dos vícios desenfreados pela fome do ouro, que avassalava as Minas Gerais do Século XVIII, tornam-se inconformados e os primeiros gestos que assumem é a fuga da vida comum dos aventureiros e de tudo o que ela representa: a avidez do ouro, a violência, a luxúria. Querem para si e para toda a sociedade desordenada o advento do ideal evangélico.

Devotados ànobre causa da conversão dos pecadores, eles se fizeram penitentes, procurando a santidade, revestindo-se de virtudes, comoa do desapego dos bens do mundo, para assim conseguirem abrandar o coração dos aventureiros do ouro. Eram cristãos radicais que não se satisfaziam com as práticas comuns da religião, sob o comando de um clero pouco atuante, na visão deles. Os eremitas de Minas Gerais eram exilados do mundo. À medida que iam surgindo os grupos começavam a se articular como se fossem Ordens Terceiras.

A obra eremítica partiu sempre da ermida, da capela, do oratório, ao pé do qual se ora muito, ora-se sem cessar, por aqueles que rezam mal ou nunca oram.

Foi no alto da colina mais alta, da então Vila de São José, que o eremita Antônio José Fraga, plantou sua humilde capelinha dedicada às três pessoas da Santíssima Trindade. Este ponto escolhido deve estar a mais ou menos mil metros de altitude, já que Tiradentes está a 887 metros.

Ele viveu admirando esta sua capelinha, morando em um casebre ao lado da mesma. Faleceu em 1794.

Segundo a documentação do Arquivo Histórico do Ultramar (AHU), a construção da capela do eremita Antônio José Fraga foi aprovada por provisão em 2 de janeiro de 1776. Parece que em 1781 estava quase concluída, conforme requerimento do Ermitão.

Em 1798, após a morte do eremita, foi solicitado ao conselho de sua Majestade novas reformas e ampliação da capela. Foi designado o Tenente João Antônio de Campos, que inicia, como administrador, a construção da nova capela mais ampla, pois na primeira cabiam somente seis bancos. A planta foi encomendada ao pintor e arquiteto Manoel Victor de Jesus.

Trabalharam na obra os pedreiros Cláudio Pereira Vianna, João Damasceno, Antônio Pereira da Silva, Manoel Alves de Souza, Manoel Gomes Teixeira e o ferreiro Antônio dos Santos, além dos escravos e aprendizes dos referidos mestres.

Em 1822 o edifício principal estava quase concluído, faltando as sacristias e os acabamentos. Em 1853 criou-se uma Confraria da Santíssima Trindade.  Foi redigido o estatuto com 32 capítulos, enviado à Sé de Mariana para aprovação Episcopal.

Desde a fundação da Confraria, existem documentos que comprovam a contratação de músicos para as funções: Festa da Santíssima Trindade e a Festa da Nossa Senhora das Dores. Consta-se que, para estas festas, os romeiros chegavam em carros de boi cobertos com toldos de couro e acampavam na periferia da capela.

Em 1855 é executada a obra do novo assoalho e dos balaústres da nave por José Joaquim Sant’ana e Silva. E ainda, no final do Sec. XIX, colocou-se o pára-vento da capela.

A igreja possui no trono principal uma bela escultura do Pai Celestial, tendo o Espírito Santo no peito, sob a forma de pomba, trazendo na cabeça uma tiara papal. Mais abaixo se vê o Cristo crucificado, que compõe o conjunto da Trindade. É uma rica escultura em madeira policromada, cujo autor e data são desconhecidos.

A festa da Santíssima Trindade é uma das maiores festas religiosas de Tiradentes e região. A prova disto é que as peregrinações e romarias não são simples excursões feitas por curiosidade para distrair o espírito, mas uma rica manifestação de religiosidade e fé.

A Solenidade da Santíssima Trindade é regida pelo calendário litúrgico, por isso não tem uma data fixa. É precedida pela novena solene. No domingo em que é celebrada a Solenidade ocorrem várias celebrações da Santa Missa, com grande frequência de fieis.Na segunda-feira ocorre a procissão com as imagens do Pai Eterno, tendo o Espírito Santo no peito, e o Cristo Crucificado.

Toda festividade é musicada pela Orquestra e Banda Ramalho. As músicas executadas são de autoria de compositores locais do século XIX, principalmente do Padre José Maria Xavier (1819-1887).

O Santuário possui um complexo de ambientes para proporcionar ao visitante um breve descanso, com loja de artigos religiosos, sala de milagres, jardins com bastante sombra, chafariz, banheiros, etc.

Mesa Administrativa

PRESIDENTE: Sérgio Luiz Giarola do Nascimento

VICE-PRESIDENTE: Arilton José da Fonseca

1ºSECRETÁRIO: Nílzio Barbosa

2º SECRETÁRIO: Afonso Maria Ligório da Cruz

1º TESOUREIRO: José Wiermann da Silveira

2º TESOUREIRO: Rodrigo Batista Trindade

PROCURADORES: Gustavo C. de Resende, Olímpio de Castro Neto, Dari Moreira do Nascimento, Neide Vital dos Reis.

ZELADORES: Trindade Paiva, João Vicente de Jesus e Tininha

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui